Para além do rugby

O seleccionador nacional é consultor de empresas desde 2002, tendo já visitado inúmeras, «dos mais variados âmbitos e dimensões». Conta que da primeira vez que foi convidado por uma empresa para fazer uma palestra achou estranho, porque não percebia o que podia querer de um treinador. «Decidi ser eu próprio e ir simplesmente dizer o que é para mim o trabalho de equipa e a liderança. Fiquei realmente surpreendido como durante cerca de hora e meia as pessoas estiveram a ouvir-me de forma extremamente atenta. A dinâmica daquela sessão com cerca de 200 pessoas foi fantástica.»

«Há um paralelismo imenso entre o desporto e a estrutura empresarial que penso que está hoje perfeitamente assimilado por todos», diz Tomaz Morais. «No espírito competitivo, na importância da equipa, no orgulho de pertença, nos valores e princípios seguidos e na liderança», concretiza. «Todos os dias o treinador tem que falar com os jogadores e conseguir comunicar de forma eficaz. É este trabalho junto das equipas que os empresários querem conhecer. As empresas estão a procurar desenvolver o espírito de equipa e há uma preocupação com a formação em liderança.

A realidade empresarial portuguesa tem-no surpreendido pela positiva, «pela competência das pessoas e pelo compromisso assumido com os colaboradores. É fundamental que a formação seja contínua, porque temos de estar sistematicamente a aprender para podermos desempenhar e desenvolver as nossas funções com competência. É com o treino que melhoramos. É por isso que no mercado americano há empresas com treinadores a ‘fulltime’.»

Partilhar »