Sem erros

Os sevens enquanto variante do Rugby Union vai tendo os seus dias contados... Até os mais céticos, com maior dificuldade em entender a beleza e magia deste novo desporto, se estão a render aos efeitos contagiantes da espetacularidade e competitividade dos sevens que se propaga e globaliza a olhos vistos numa velocidade como o XV não conseguiu ao longo dos mais de cem anos de história. O circuito profissional arrasta multidões, entusiasma e proporciona momentos de inequívoco interesse para o público em geral devido à simplicidade do jogo, originada pela fácil compreensão das regras. A todo o momento alicia novos jogadores(as), adeptos e curiosos que se interessam não só pelos seus efeitos como pelos novos craques que vão surgindo. O aparecimento de clubes exclusivos, um pouco por todo o lado, são uma constatação que poderá denunciar uma separação a médio/longo prazo. Apesar de, na maioria dos casos, os jogadores ainda participarem nas duas versões do jogo a tendência é para uma especialização indispensável que passa por uma preparação técnica, física, mental e mesmo tática adequadas às diferenças evidentes características de cada jogo. Tanto o jogador, como o treinador ou árbitro requerem formação, desenvolvimento e potenciação específica de competências apropriadas à performance deste jogo muito rápido, físico, onde as situações de tomada de decisão são cruciais e imprevisíveis... tudo é momentâneo, por vezes cruel! Para joga-lo com sucesso é necessário uma morfologia física explosiva (de grande porte atlético) para manter a posse de bola, marcar muitos pontos com o menor número de passes possível e defender dominando a placagem. A competitividade atual não dá espaço à falta de veia defensiva, espírito de sacrifício, combate, superior resistência mental (para aproveitar o momento do jogo e conceber ações de resposta), inteligência emocional para manter níveis de auto motivação adequados às variações nos resultados e à ambição de nunca desistir perante os desafios. A formula dos sevens está por isso no controlo da posse de bola, na paciência, disciplina, num estilo evasivo de jogo com poucas penalidades e sem erros!

Data: 19.12.14
Partilhar »