Com Saudade

Esta semana foi triste para o rugby com a perda de Joost Van Der Westhuizen, Springbook herói do Mundial de 95 (pós apartheid) e um dos melhores que vi atuar na posição de médio de formação. No Hong Kong Sevens em 93, onde coincidentemente Portugal esteve presente pela primeira vez, surpreendi-me com a sua elevada estatura e fisionomia incaracterísticas para a posição em que jogava. Estávamos perante alguém que viria a ser um fenómeno do rugby mundial, um dos elementos mais marcantes na conquista do Mundial de 95 após a estrondosa placagem a Jonah Lomu na final contra os All Black. Habituados a ver jogadores muito pequenos, naquela que é a posição com maiores fatores de gestão tática e princípios técnicos de imensa agilidade, ficámos surpreendidos com a velocidade com que executava... mais ainda com a fisicalidade que imprimia em tudo o que fazia dentro do campo. Fora dele representava todos os valores inerentes à modalidade difundindo-os brilhantemente nas palestras, intervenções em escolas e empresas. A sua imagem será sempre narrada como um dos atletas mais completos da história do rugby. Em Portugal, esta semana, vivemos a angustia pela morte de um jovem jogador, das Caldas da Rainha,  que mostrava ter uma imensa paixão pelo rugby. Foi traído por uma paragem cardiorrespiratória quando iniciava a sessão de treino, estes casos prematuros não são comuns mas infelizmente acontecem e nem sempre motivados ou associados ao esforço físico. Não me recordo, em vários anos de ligação à modalidade, ter assistido a um caso semelhante. O sistema desportivo atual cada vez menos permite que se pratique formalmente desporto sem uma aprovação médica criteriosa, e é bom que assim seja, compete a todos os agentes desportivos o cumprimento rigoroso destas obrigações. É no diagnostico e prevenção que muitas vezes se pode vir a encontrar a raiz do problema. O desporto moderno, cada vez mais exigente, não pode mesmo tolerar qualquer tipo de facilitismo no que toca a saúde dos praticantes. O que não quer dizer que estes trágicos acidentes não aconteçam. Neste período tão difícil deixo as minhas condolências à família do jovem e ao clube que tão nobremente o acolhia.

Data: 11.02.17
Partilhar »