Oxigenar

Em Portugal, principalmente no futebol, tem-se assistido a uma gradual desvalorização da função e competência do treinador. Muda-se por tudo e por nada, havendo casos de clubes que já somam 3 treinadores numa só época. Paradoxalmente temos os melhores técnicos da atualidade nesta área com grande procura internacional e com resultados alcançados bem evidentes. A troca massificada de treinadores a que assistimos na principal competição do desporto português é surreal, faz crer indevidamente que esta classe é impreparada, e levanta várias questões que pedem reflexão: Como se escolhe um treinador? Porque se escolhe este ou aquele? Que critérios são aplicados? Que recursos se colocam ao dispor do treinador? O sucesso do trabalho de um treinador passa pela revelação de todas as suas competências na liderança, gestão e desenvolvimento da equipa de forma consistente. Para isso é necessário dar tempo para que o plano de estratégias de intervenção definido possa gerar orientação na equipa rumo a objetivos delineados, o que infelizmente pela urgência de resultados não acontece. Quem reveza treinadores acredita que uma equipa funciona permanentemente a chicotadas psicológicas, sem muitas vezes perceber as sua necessidades nem conhecer os fatores que realmente a põem a funcionar. Ao mudar o treinador no meio da época procuram alterar um determinado contexto como forma de escapar a uma espiral negativa que vivem, proporcionar um alivio emocional e dar inicio a uma nova jornada. Mas esquecem-se que o que mudam pode não ser a principal razão do problema, pode trazer até alguns resultados imediatos mas passado esse estado de graça, se as razões forem outras, as contendas reaparecem. Se as situações forem bem analisadas há chicotadas de mudança na liderança que são inevitáveis, mas se a causa não for o treinador pode-se também chicotear a equipa com a mesma liderança mas com um plano de intervenção inovador que traga uma nova era para a realidade e que instigue um novo compromisso. O que deveras é preciso é oxigenar as equipas... olhando para os problemas com pensamentos distintos dos que os criaram.

Data: 25.03.17
Partilhar »