Mundial de Futebol 2010 - Com Nervo e Orgulho!

Com Nervo e Orgulho!

Não foi mau e até podia ter sido positivo o empate com a Costa do Marfim, não fossem as palavras soltas de Deco e do seleccionador no final do jogo. Jamais posso entender a utilização de Drogba com um tala no braço como um exemplo negativo, mostrou-nos o sacrifício que os grandes campeões estão dispostos a fazer por uma causa comum. Numa competição que se quer longa, Portugal obteve um resultado melhor do que a exibição que nos proporcionou. Com uma postura táctica rígida e pouco ambiciosa deixou os africanos controlarem o jogo acabando a pressão na nossa baliza... O mais marcante foi a falta de alegria, imaginação e mesmo a tão desejada coesão fruto de um espírito de equipa que parecia trabalhado ao pormenor. Tudo pode ser invertido se a selecção se apresentar mais corajosa e audaz no jogo frente a uma Coreia do Norte que sem grandes argumentos será sempre uma equipa difícil e plena de entrega. Mentalmente muito fortes e fisicamente inesgotáveis não têm os argumentos técnicos e tácticos dos portugueses. Habituados à dureza e ao regime, jogam tudo nestes momentos mostrando atitude e colectivo. Será que Portugal se vai apresentar como uma verdadeira equipa em que nenhum elemento se sentirá acima dela? Aproveitar um começo conflituoso para fortalecer os valores e os princípios inerentes a um bom rendimento deve ter sido o ponto alto da preparação para este jogo. Mais entreajuda e menos individualismo permitirão um aumento dos níveis de confiança e concentração colectiva, fundamental para que se possa explanar todo o futebol que Portugal tem para jogar. Pede-se mais inspiração para ultrapassar aquilo que se prevê uma verdadeira muralha defensiva em que cada corte ou recuperação de bola serão um motivo para a Coreia festejar. Controlando as emoções terão que nos fazer sentir que a equipa está mais forte e determinada que nunca. Já que os exemplos públicos escolhidos para motivar, inspirar e fazer acreditar os jogadores a altos voos não foram espelhados no primeiro jogo, que o exemplo “Eusébio” em 1966 na vitória sobre os antepassados destes Coreanos seja a fonte energética para a 1ª vitória. Não dramatizando, ganhar nestes momentos apagará memórias e catapultará Portugal para grandes feitos. Com nervo e orgulho, vamos a eles! Que não fique nada por jogar.

Data: 20.06.10
Fonte: JN - Jornal de Notícias
Partilhar »